• Criptorquidia

Diz-se que existe Criptorquidia sempre que não é possível palpar um testículo na bolsa escrotal. Quando não é possível encontrar um ou os dois testículos nas bolsas escrotais deve-se estudar o motivo. Essa ausência pode-se originar de problemas congênitos ou adquiridos.

  • Testículos verdadeiramente não descidos;
  • Testículos fora do local (ectópicos);
  • Testículos retráteis ou em “ascensor”;
  • Testículos ausentes.

Nos dois primeiros casos, o reposicionamento costuma exigir uma cirurgia. O tratamento de um testículo não descido unilateral ou bilateral deve ser realizado no início do 2º ano de vida. Há casos.em que o testículo aparece extremamente atrofiado sendo indicado sua remoção.
O melhor método para diagnosticar testículos não palpáveis é a Laparoscopia.
Normalmente a descida só se dá dentro do primeiro ano de vida.
Mesmo com a possibilidade de tratamento hormonal, há casos em que mesmo assim há necessidade de tratamento cirúrgico da criptorquidia. No caso do tratamento cirúrgico também pode ser corrigida uma hérnia inguinal em muitos dos casos. A importância de identificar precocemente os casos de testículos não descidos deve-se ao fato de que podem surgir complicações quando não são corrigidos no tempo devido, principalmente infertilidade na idade adulta, desenvolvimento de tumor (muitas vezes maior), ocorrência de hérnia associada ou torção do testículo não descido.
É ainda bastante considerável o efeito psicológico negativo provocado pela existência de um saco escrotal vazio. O homem fica inibido e inseguro, assim como uma mulher que retira sua mama.
A fim de se amenizar esse efeito psicológico, há casos em que há a possibilidade de implante de uma prótese testicular que irá disfarçar com grande perfeição a ausência do testículo dentro da bolsa escrotal. Essa prótese, embora não tenho função orgânica alguma, melhora, e muito a autoconfiança do homem.

[Veja Também: Fimose e Glândulas de Tyson]