Tratamentos Cirúrgicos

Logo que os tratamentos para disfunção erétil via oral começaram, houve uma grande diminuição do número de implantes pois os pacientes desejavam tentar alguma outra solução que parecia menos agressiva que os implantes penianos. Passada essa etapa inicial, o número de implantes penianos voltou a crescer e superaram inclusive o número que era praticado antes da introdução dos tratamentos via oral. Os tratamentos via oral mostraram aos homens com disfunção erétil que esse problema era em boa parte dos casos de origem física e que tinha tratamento. Estudos recentes revelam que entre 40 e 46% dos brasileiros apresentam algum grau de disfunção erétil (*1,2) e que esse problema se torna ainda maior em decorrência da idade (*3,4)